Pexels Photo 7674826

CNB/RS – CNB-RS apoia associados com Plano Mínimo de Adequação à LGPD

Os associados do CNB-RS começaram a receber esta semana os materiais que compõem o projeto Plano Mínimo de Adequação à LGPD, elaborado pelas advogadas Dra. Karin Rick Rosa e Dra. Fernanda Borghetti Cantali, da Metis Compliance Digital.

Em um primeiro momento serão distribuídos materiais e orientações sobre o cronograma do projeto que tem como propósito contribuir para o início da jornada de adequação à Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD e ao Provimento 28 da Corregedoria Geral de Justiça do Rio Grande do Sul.

O CNB-RS iniciou o trabalho de sensibilização de seus associados em outubro de 2019, com a palestra proferida pela Dra. Karin Rick Rosa no 73º Encontro Estadual de Tabeliães de Notas e Protesto do Rio Grande do Sul, em 26 de outubro de 2019. Na sequência, em outubro de 2020, a entidade disponibilizou um curso online, para os associados, também com informações sobre proteção de dados e o ciclo de vida dos dados pessoais no tabelionato.
Mais recentemente, após a publicação do Provimento nº 28/21 pela CGJ-RS, a normativa vem sendo analisada dos eventos quinzenais do grupo de estudos, já tendo sido realizados três encontros para tratar do tema. Todos esses encontros serão certificados, totalizando seis horas capacitação.

O Plano Mínimo de Adequação – PMA, tem como objetivo “fornecer as informações básicas sobre a nova lei, permitindo que todos os associados possam iniciar a jornada da adequação”, afirma a Dra. Karin.

Cada associado receberá:
– Uma cartilha básica contendo guia orientativo sobre a LGPD
– Um modelo de planilha para elaboração do mapeamento de dados no tabelionato de notas
– Um treinamento online, no formato live/webinar, com duração de 60 minutos, para os associados e seus colaboradores, para treinamento básico e sensibilização de equipe
– Um encontro online, com duração de 60 minutos, para os associados e seus colaboradores, para resolução de dúvidas
– Um modelo de formulário de atendimento ao titular de dados
– Um modelo de cartaz/post informativo e do canal de atendimento aos titulares de dados
– Um modelo de cláusula padrão para os contratos de trabalho
– Um modelo de plano de resposta a incidentes

As entregas do projeto serão feitas em três etapas. Esta semana todos serão entregues:
• Guia Orientativo em arquivo PDF. Este guia poderá ser utilizado para transmissão das informações básicas sobre a LGPD para toda a equipe de trabalho do tabelionato.
• Plano de Resposta Incidentes
• Modelo da planilha para elaboração do mapeamento de dados no tabelionato de notas
• Modelo de cartaz/post informativo e do canal de atendimento aos titulares de dados
• Modelo de Formulário de Atendimento aos Titulares de Dados
• Modelo de Cláusula Padrão para os Contratos de Trabalho
Em uma segunda etapa será disponibilizado o treinamento, no formato live/webinar, com duração de 60 minutos, para os associados e seus colaboradores. “Neste treinamento, vamos falar sobre os modelos e passar as orientações para o seu preenchimento e utilização de cada documento”, explica a Dra. Karin.

A terceira e última etapa será um encontro online, também com 60 minutos de duração, para resolução de dúvidas que os associados e seus colaboradores tenham. A estimativa das coordenadoras do projeto é de que em um prazo de 30 dias seja possível realizar esta última etapa. “Este prazo é justamente para que os associados possam se apropriar do material e para que as dúvidas apareçam.”

Durante este prazo, “estaremos recebendo as dúvidas por e-mail ([email protected]), para que possamos agrupar os questionamentos e otimizar o tempo disponível no encontro online.”

O Guia Orientativo também terá uma versão e-book, que será disponibilizada aos associados também nos próximos dias.

A Dra. Karin enfatiza que “é importante destacar que o Guia e os demais materiais certamente contribuirão sobremaneira para o início da jornada de adequação à LGPD. Contudo, não representam um plano de adequação completa, o que depende das particularidades de cada serviço notarial, além da criação de uma série de políticas e procedimentos específicos, bem como adoção de ferramentas técnicas eventualmente necessárias para atender os preceitos da Lei 13.709/18 e do Provimento nº 28/21 da CGJ-RS”.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *